Diocese de Jales

|
Notícias › 16/06/2020

35ª Semana do Migrante teve abertura dia 14 e se estende até o próximo dia 21

35-Semana-do-Migrante-arte-1200x762-c

A 35ª edição da Semana do Migrante teve sua abertura ontem, 14 de junho, com missa de abertura presidida por dom José Luís Ferreira Salles, bispo da Diocese de Pesqueira (PE), responsável pelo setor de Mobilidade Humana da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e presidente do Serviço Pastoral dos Migrantes. A programação, que envolve diversos serviços, pastorais e organismos da Igreja católica no Brasil, se estende até o dia 21 de junho.

Este ano, a 35ª Semana do Migrante traz o seguinte lema bíblico:”Onde está teu irmão, tua irmã?”. O evento, há mais de três décadas, mobiliza pessoas, grupos e comunidades para ações que promovam acolhida, integração, defesa de direitos, além de partilha, no campo das experiências sagradas e multiculturais de todos os povos. Em sua 35ª edição, diante do cenário de crescentes fluxos migratórios, da crise sanitária e social que se intensificou para a população migrante no Brasil, com a pandemia de Covid-19, a iniciativa propõe o tema Migração e acolhida.

O bispo da diocese de Brejo (MA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotrasformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom José Valdeci Santos Mendes, diz ser importante refletir sobre os irmãos e irmãs que precisam de apoio e espírito de comunhão. “O próprio lema nos motiva a isso. Nesse tempo de pandemia de coronavírus precisamos vivenciar a solidariedade, a compaixão, precisamos testemunhar o Evangelho”, destaca.

Roberto Saraiva, membro da coordenação colegiada executiva do Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM), reforça que a inspiração bíblica no lema, a partir do livro do Gênesis, é para lembrar que Deus nos interpela: ‘Onde está o teu irmão, tua irmã?’ (Cf. Gn 4,9). “Qual é minha resposta a Deus? É a mesma resposta de Caim que interpela a Deus dizendo: ‘Por acaso eu sou o guarda do meu irmão?’ Ou nossa resposta é afirmativa: Eu sou guarda do meu irmão! Precisamos nos lembrar que somos humanos. Muitas vezes, acabamos não agindo como irmãos uns dos outros, e nem nos dispomos a ajudar aqueles e aquelas que estão ao nosso redor precisando de solidariedade, consolo, amizade e presença”, afirmou.

“A Semana do Migrante chama a nossa atenção para o aumento do fluxo migratório e das situações de refúgio nos últimos anos. Além disso, a grave crise política e econômica que o país enfrenta, junto com a pandemia, acentua o desemprego, frustra as expectativas de quem busca uma vida mais digna, aumenta a fome, a miséria e a vulnerabilidade da população empobrecida. Entre os que mais sofrem, estão as pessoas em situação de migração. Mesmo sendo em grande quantidade, são pessoas invisíveis para o sistema. Para elas não se efetivam nem políticas públicas, nem direitos”, destaca a vice-presidente da Cáritas Brasileira, Cleusa Alves da Silva.

A Semana do Migrante retoma o apelo da Campanha da Fraternidade 2020 que trouxe o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34). “Os irmãos e irmãs caídos à beira do caminho demandam de nós o olhar, a atenção e o cuidado. Celebrar a Semana do Migrante é uma oportunidade de aprofundar nossa espiritualidade profética e comprometida com a transformação social e com a vida de quem mais sofre, cultivando a esperança e a solidariedade”, completa a vice-presidente da Cáritas Brasileira.

35 anos do SPM

“Este ano a Semana do Migrante tem um sabor de celebração, de festa, há 35 anos nascia o Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM), como órgão vinculado à CNBB, já com a missão de animar e promover a Semana do Migrante todos os anos. E num gesto de fidelidade à Igreja e aos migrantes, em nenhum dos anos, por mais difícil que tenha sido, mesmo diante da falta de recursos, ou algum outro elemento, não deixamos de promover o material de mobilização desse período”, celebra Roberto Saraiva.

Ação conjunta

Este ano a Semana do Migrante acontece a partir da integração das diversas organizações que atuam no cuidado humano, na atenção pastoral e na defesa de direitos da população migrante no Brasil. Unidos, Comissão Episcopal Pastoral para Ação Sociotransformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Cáritas Brasileira, Serviço Pastoral do Migrante(SPM), em articulação com a Comissão Pastoral da Terra (CPT), o Conselho Indigenista Missionário (CIMI), o Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP), a Pastoral da Juventude Rural (PJR), o Serviço Jesuíta para Migrantes e Refugiados (SJMR), o Instituído Migração e Direitos Humanos (IMDH) e a Missão Paz, com o apoio da 6ª Semana Social Brasileira, mobilizam a programação com celebrações e lives que se estendem de 14 a 21 de junho.

Conheça a PROGRAMAÇÃO DA 35ª DO MIGRANTE e participe.

Via CNBB

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.