Protomártires do Brasil: “Que possamos nos voltar para essa graça da canonização”

0

O arcebispo de Natal (RN), dom Jaime Vieira Rocha, presidiu na manhã desta terça-feira, 3 de outubro, a missa da festa dos beatos André de Soveral e Ambrósio Francisco Ferro, presbíteros, Mateus Moreira e 27 companheiros leigos. Os chamados protomártires do Brasil, padroeiros do Rio Grande do Norte e cuja festa litúrgica é celebrada hoje, serão canonizados pelo papa Francisco no próximo dia 15, no Vaticano.
“Nós todos vivemos um dia muito especial no Rio Grande do Norte desejo e espero que todos nós que aqui estamos e que nos ouvem pelas rádios possamos física e espiritualmente nos voltar para essa graça”, disse o arcebispo convidando os fiéis a participarem de algum modo da celebração de canonização dos primeiros mártires do Brasil, que acontecerá às 10h no horário de Roma, sendo às 5h, pelo horário de Brasília.
“É importante que nós acompanhemos de muito perto com toda reverência, acordemos mais cedo no dia 15 de outubro. Vale a pena que o Rio Grande do Norte e o Brasil todo se voltem para essa grande graça que vamos receber da bondade, da benevolência, do amor que Deus sempre tem por nós”, incentivou. Tanto aos que viajarão a Roma, quanto aos que estarão acompanhando pelos meios de comunicação, foi proposta uma peregrinação rumo à canonização dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu.
O arcebispo de Natal agradeceu a Deus pelo empenho dos bispos que o precederam e ainda por ter a graça de viver o momento da canonização. A gratidão também foi manifestada pelos que “lutaram por esta causa”, como o postulador da causa, monsenhor Assis Pereira.

Martírio e violência
Dom Jaime fez uma reflexão a respeito do martírio como forma de testemunhar a fé por uma provação tendo como fato ou gesto extremo dar a vida, derramar o sangue. “De qualquer modo, o martírio é uma experiência de violência, porém, sem uma resistência violenta, não há resistência para o mártir, ele até reza, agradece, louva a Deus por ter sido digno de dar a vida e de derramar o sangue pelo nome de Nosso Senhor”, explicou.

No Brasil de hoje, com contexto de violência, medo e insegurança, principalmente na realidade dos jovens, é preciso que seja feito um aprofundamento em vista da superação desta situação. “É preciso que nós façamos dessa graça da canonização dos Santos Mártires de Cunhaú e Uruaçu um momento de reflexão, de renovação espiritual: maior aproximação de Deus; de experiência profunda com nosso Senhor, sabendo da força da oração e da paz interior; sentir-se próximo; acolher; ir ao encontro; tratar bem; respeitar; não cometer violência para com ninguém; cumprir aquilo que é a lei e o dever, mas respeitando a dignidade inviolável e sagrada da pessoa humana.

Programação
A missa presidida por dom Jaime aconteceu no Santuário dos Mártires, no bairro Nazaré, na zona Oeste de Natal. O arcebispo ainda presidirá à noite em São Gonçalo do Amarante (RN), no Monumento dos Mártires, localizado na comunidade de Uruaçu.
A programação deste dia dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu tem atividades nos dois locais: no bairro Nazaré, a programação, teve início com a missa solene. Às 16h, será celebrada a segunda missa do dia, presidida pelo pároco, padre Fábio Pinheiro. Após a missa, acontecerá procissão luminosa pelas ruas do bairro Nazaré. A paróquia do Santuário vem celebrando a festa em honra dos Mártires desde 23 de setembro.
No Monumento dos Mártires, os fiéis participaram de uma romaria, iniciada às 6h, saindo da Igreja Matriz de São Gonçalo do Amarante com destino ao Monumento. Três missas foram celebradas pela manhã. Na parte da tarde, programação com shows de cantores locais seguidos da apresentação da cantora Adriana Arydes. Às 18 horas, encerrando a programação, será celebrada missa, presidida pelo arcebispo, Dom Jaime Vieira.

Canonização
Os protomártires do Brasil serão canonizados no próximo dia 15, às 10 horas (5 horas da manhã, horário de Brasília), na Praça de São Pedro, no Vaticano. Além da canonização, também acontecerão outras duas celebrações, em Roma. Antes, no dia 14, às 17 horas, serão rezadas as vésperas solenes, na capela do Pontifício Colégio Pio Brasileiro. E, no dia 16, às 11 horas, na Basílica Vaticana, será celebrada missa em ação de graças, presidida pelo arcebispo de Brasília (DF) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Sergio da Rocha.

Martírio de Cunhaú
No dia 16 de julho de 1645, os holandeses que ocupavam o Nordeste do Brasil, chegaram a Cunhaú, onde residiam vários colonos ao redor do engenho, ocupados no plantio da cana-de-açúcar. Era um domingo. Na hora da missa, 69 pessoas se reuniram na capela de Nossa Senhora das Candeias. A capela foi cercada e invadida por soldados calvinistas e índios que trucidaram a todos que aí estavam, inclusive o pároco, padre André de Soveral, que celebrava a missa. As vítimas não opuseram resistência aos agressores e entregaram piedosamente suas almas a Deus.

Martírio de Uruaçu
Após o acontecimento de Cunhaú, muitos moradores de Natal pediram asilo no Forte dos Reis Magos ou se refugiaram em abrigos improvisados. No dia 3 de outubro, foram levados para as margens do Rio Uruaçu, onde os aguardavam índios e soldados holandeses armados. Eram cerca de 80 pessoas. Os holandeses, de religião calvinista, trouxeram um pastor protestante para demovê-los de sua fé católica. Todos resistiram a esta tentativa e foram barbaramente sacrificados. Entre eles estava Mateus Moreira que, ao lhe ser arrancado o coração pelas costas, morreu exclamando “Louvado seja o Santíssimo Sacramento”.
Entre os mártires, há dois sacerdotes. Vinte e sete são brasileiros natos, um português, um espanhol e um francês. Padre André de Soveral, padre Ambrósio Francisco Ferro, Mateus Moreira e outros vinte e sete companheiros foram beatificados por são João Paulo II, em 5 de março de 2000.

Confira página preparada pela arquidiocese de Natal.

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.