Diocese de Jales

Notícias › 18/04/2019

O pedido do Arcebispo de Paris para Semana Santa após incêndio de Notre Dame

Após o incêndio que devastou a Catedral de Notre Dame, o Arcebispo de Paris, Dom Michel Aupetit, pediu a todas as pessoas de boa vontade que coloquem uma vela em suas janelas na noite do Sábado Santo, como um sinal da “luz que ilumina as trevas” e o triunfo da vida sobre a morte.

“Proponho a todas as pessoas de boa vontade que coloquem em suas janelas, na noite de Páscoa, uma vela como fazemos em todas as igrejas na Vigília Pascal com o rito do fogo novo. Isso significa que a luz ilumina as trevas, que a vida triunfa definitivamente sobre a morte”, escreveu o Prelado em uma mensagem publicada pelo site da Arquidiocese de Paris em 16 de abril.

“Notre Dame, nossa querida catedral, testemunho de tantos eventos importantes de nosso país, foi destruída por um incêndio depois de ter resistido tanto tempo às vicissitudes de sua história. A França chora e com ela todos seus amigos do mundo inteiro”, indicou o Arcebispo.

O fogo começou na segunda-feira, 15 de abril, por volta das 18h50 (hora local), destruiu o pináculo de 93 metros e boa parte da igreja, embora a estrutura tenha ficado estável. Conseguiram salvar o Santíssimo Sacramento, a santa Coroa de Espinhos, um pedaço da cruz de Jesus e um cravo com o qual se crucificou Cristo.

A França, continuou o Prelado parisiense, “está comovida, porque suas pedras são testemunho de uma esperança invencível que, pelo talento, a coragem, o gênio e a fé de seus construtores, edificou este lugar luminoso”. “Esta fé reflete a nossa, é a que move montanhas e a que nos permitirá reconstruir esta obra-prima”, acrescentou.

O Arcebispo agradeceu todas as demonstrações de proximidade e afeto e incentivou a viver “intensamente esta semana que é realmente decisiva para os cristãos”.

Nesta Semana Santa, prosseguiu, “reencontremo-nos com o Pai que nos deu o dom do Batismo para que sejamos seus filhos. Deus é fiel e espera sempre que voltemos para Ele que nos estende seus braços”.

Após convidar à Missa Crismal, que será celebrada na igreja de Saint-Sulpice, Dom Aupetit disse que esta será “ocasião para que todos manifestemos nossa unidade, nosso fervor e nossa confiança no futuro. Sabemos bem que não só vamos reconstruir nossa catedral, mas também nossa Igreja, cujo rosto foi ferido”.

Para concluir, o Arcebispo de Paris disse que o incêndio da Catedral permitirá ao “nosso país reencontrar uma unidade feliz para que todos possamos construir juntos o que está escrito na fachada de nossos edifícios públicos: a fraternidade. Cremos que ela encontra sua origem na paternidade de Deus, fonte de todo amor”.

Por sua vez, o reitor da Catedral de Notre Dame, Mons. Patrick Chaveut, disse ao jornal do Vaticano, L’Osservatore Romano, que, embora o incêndio tenha causado “uma profunda tristeza, uma desolação por ver a catedral reduzida assim, também experimentou a esperança, uma esperança devida à fé, às numerosas expressões de proximidade que estou recebendo do mundo todo”.

Após comentar que o presidente Macron lhe transmitiu as mensagens de proximidade de diversos chefes de Estado quando ingressaram na catedral, o sacerdote disse que, “diante desse drama, está se criando uma grande comunhão, uma comunhão que espero que se possa converter em uma bela esperança”.

“O que me comoveu particularmente foi ter visto que a Virgem estava ali de pé, Maria Rainha, a Virgem coroada. Eu a vi sobre seu pilar e pensei na Mãe de Jesus nas bodas de Caná, com as palavras ‘a mãe de Jesus está ali’”, e em seguida fez uma breve oração.

O reitor explicou que agora devem decidir qual igreja poderá “substituir temporariamente a catedral para que o Arcebispo continue celebrando a Missa” e “eu me ocuparei da catedral, essa é minha missão”.

Para a reconstrução, já foi anunciada uma coleta global, que tem até o momento como um de seus principais benfeitores o milionário francês Francois-Henri Pinault, dono de Kering, que reúne marcar como Gucci e Yves Saint Laurent, que ofereceu 100 milhões de euros.

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse que a Catedral de Notre Dame de Paris estará reconstruída em cinco anos.

Via ACI Digital

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.