Liturgia Diária – 2018-07-09 07:56:11

0

14º DO TEMPO COMUM

(verde – 2ª semana do saltério)

Somos convidados a ter nossos olhos e nosso coração fixos em Jesus, que nos acolhe e nos alimenta com sua Palavra e com a Eucaristia. Rejeitado em sua própria terra pelos seus, o Senhor sabe se compadecer de nossas necessidades, fraquezas e angústias e nos fortalece com sua graça. Celebrando a Páscoa semanal, reconheçamos que Deus nos fala também por meio dos simples e pobres.

Primeira Leitura: Ezequiel 2,2-5

Leitura da profecia de Ezequiel – 2Naqueles dias, depois de me ter falado, entrou em mim um espírito que me pôs de pé. Então eu ouvi aquele que me falava, 3o qual me disse: “Filho do homem, eu te envio aos israelitas, nação de rebeldes, que se afastaram de mim. Eles e seus pais se revoltaram contra mim até o dia de hoje. 4A estes filhos de cabeça dura e coração de pedra vou-te enviar, e tu lhes dirás: ‘Assim diz o Senhor Deus’. 5Quer te escutem, quer não – pois são um bando de rebeldes –, ficarão sabendo que houve entre eles um profeta”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 122(123)

Os nossos olhos estão fitos no Senhor: / tende piedade, ó Senhor, tende piedade!

  1. Eu levanto os meus olhos para vós, / que habitais nos altos céus. / Como os olhos dos escravos estão fitos / nas mãos do seu senhor. – R.
  2. Como os olhos das escravas estão fitos / nas mãos de sua senhora, / assim os nossos olhos, no Senhor, / até de nós ter piedade. – R.
  3. Tende piedade, ó Senhor, tende piedade; / já é demais esse desprezo! / Estamos fartos do escárnio dos ricaços / e do desprezo dos soberbos! – R.

Segunda Leitura: 2 Coríntios 12,7-10

Leitura da segunda carta de são Paulo aos Coríntios – Irmãos, 7para que a extraordinária grandeza das revelações não me ensoberbecesse, foi espetado na minha carne um espinho, que é como um anjo de satanás a esbofetear-me, a fim de que eu não me exalte demais. 8A esse propósito, roguei três vezes ao Senhor que o afastasse de mim. 9Mas ele disse-me: “Basta-te a minha graça. Pois é na fraqueza que a força se manifesta”. Por isso, de bom grado, eu me gloriarei das minhas fraquezas, para que a força de Cristo habite em mim. 10Eis por que eu me comprazo nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições e nas angústias sofridas por amor a Cristo. Pois, quando eu me sinto fraco, é então que sou forte. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Marcos 6,1-6

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos – Naquele tempo, 1Jesus foi a Nazaré, sua terra, e seus discípulos o acompanharam. 2Quando chegou o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o escutavam ficavam admirados e diziam: “De onde recebeu ele tudo isso? Como conseguiu tanta sabedoria? E esses grandes milagres que são realizados por suas mãos? 3Este homem não é o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? Suas irmãs não moram aqui conosco?” E ficaram escandalizados por causa dele. 4Jesus lhes dizia: “Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares”. 5E ali não pôde fazer milagre algum. Apenas curou alguns doentes, impondo-lhes as mãos. 6E admirou-se com a falta de fé deles. Jesus percorria os povoados das redondezas, ensinando. – Palavra da salvação.

Reflexão:

A pregação de Jesus nem sempre foi aceita com entusiasmo. Justamente em Nazaré, sua terra, ele encontrou forte resistência. Segundo o Evangelho de Marcos, Jesus entra pela última vez numa sinagoga. E aí começam a desacreditar suas palavras e a rejeitá-lo, porque ele não tem a formação acadêmica dos doutores da lei. Jesus provoca escândalos por ser uma pessoa simples, muito humana, sem muito estudo junto aos sábios. A humanidade de Deus pode chocar. Muitos gostam de pensar num Deus autoritário, milagreiro, que castiga. Esse Deus, porém, não existe. Jesus nos revela o amor de Deus. O verdadeiro profeta é aquele que descobre a vontade de Deus nas situações da vida, e nem sempre proclama aquilo que gostaríamos de ouvir. A palavra do profeta é boa-nova, palavra que liberta, salva e dá esperança. O verdadeiro profeta tem a coragem e a ousadia das mulheres e dos homens do seu tempo, que não esquecem as pessoas mais vulneráveis: pequenos, pobres, desprezados. Com sua palavra, Jesus restaura a justiça aos injustiçados, devolve a dignidade aos excluídos, proclama a alegria aos tristes e a esperança aos desanimados.

(Dia a dia com o Evangelho 2018 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.