Liturgia Diária – 2017-10-09 07:56:22

0

27ª SEMANA COMUM

(verde – ofício do dia)

Não podemos fugir da presença de Deus, pois nossa missão como cristãos é amá-lo abrindo-nos às necessidades do próximo, conforme o exemplo do bom samaritano.

Primeira Leitura: Jonas 1,1-2,1.11

Início da profecia de Jonas – 1A palavra do Senhor foi dirigida a Jonas, filho de Amati, e dizia: 2“Levanta-te e põe-te a caminho da grande cidade de Nínive e anuncia-lhe que sua perversidade subiu até a minha presença”. 3Jonas pôs-se a caminho a fim de fugir para Társis, longe da presença do Senhor; desceu a Jope e encontrou um navio com destino a Társis, adquiriu passagem e embarcou com os outros passageiros para essa cidade, para longe da presença do Senhor. 4Mas o Senhor mandou um vento violento sobre o mar, levantando uma grande tempestade, que ameaçava destruir o navio. 5Tomados de pavor, os marinheiros começaram a gritar, cada qual a seu deus, e a lançar ao mar a carga do navio para o aliviar. Jonas havia descido ao porão do navio, deitara-se e dormia a sono solto. 6O chefe do navio foi vê-lo e disse: “Como! Tu dormes? Levanta-te e reza ao teu deus; talvez ele se lembre de nós, e não morreremos”. 7Disseram entre si os marinheiros: “Vamos tirar a sorte, para saber por que nos acontece esta desgraça”. Lançaram a sorte, e esta caiu sobre Jonas. 8Disseram-lhe: “Explica-nos, por culpa de quem nos acontece esta desgraça? Qual é a tua ocupação e donde vens? Qual é a tua terra, de que povo és?” 9Ele respondeu: “Eu sou hebreu e temo o Senhor, Deus do céu, que fez o mar e a terra firme”. 10Aqueles homens ficaram possuídos de grande medo e disseram: “Como é que fizeste tal coisa?” Pelas palavras dele, acabavam de saber que estava fugindo da presença do Senhor. 11Disseram então: “Que faremos contigo, para acalmar o mar?” Pois o mar enfurecia-se cada vez mais. 12Respondeu Jonas: “Pegai a mim e lançai-me ao mar, e o mar vos deixará em paz: eu sei que, por minha culpa, se desencadeou sobre vós esta grande borrasca”. 13Os marinheiros, à força de remar, tentavam voltar à terra, mas em vão, porque o mar cada vez mais se encapelava contra eles. 14Então invocaram o Senhor e rezaram: “Suplicamos-te, Senhor, não nos deixes morrer em paga pela vida deste homem, não faças cair sobre nós este sangue inocente; fizeste, Senhor, valer tua vontade”. 15Então, pegaram Jonas e atiraram-no ao mar; e cessou a fúria do mar. 16Invadiu esses homens um grande temor do Senhor, ofereceram-lhe sacrifícios e fizeram-lhe votos. 2,1Determinou o Senhor que um grande peixe viesse engolir Jonas; e ele ficou três dias no ventre do peixe. 11Então o Senhor fez o peixe vomitar Jonas na praia. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: Jn 2

Retirastes minha vida do sepulcro, ó Senhor!

  1. Do fundo do abismo, do ventre do peixe, † Jonas rezou ao Senhor, o seu Deus, / a seguinte oração. – R.
  2. Na minha angústia clamei por socorro, † pedi vossa ajuda do mundo dos mortos / e vós me atendestes. – R.
  3. Senhor, me lançastes no seio dos mares, † cercou-me a torrente, vossas ondas passaram / com furor sobre mim. – R.
  4. Então, eu pensei: eu fui afastado † para longe de vós; nunca mais hei de ver / vosso templo sagrado. – R.
  5. E quando minhas forças em mim acabavam, † do Senhor me lembrei, chegando até vós / a minha oração. – R.

Evangelho: Lucas 10,25-37

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naquele tempo, 25um mestre da lei se levantou e, querendo pôr Jesus em dificuldade, perguntou: “Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?” 26Jesus lhe disse: “O que está escrito na lei? Como lês?” 27Ele então respondeu: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e com toda a tua alma, com toda a tua força e com toda a tua inteligência; e ao teu próximo como a ti mesmo!” 28Jesus lhe disse: “Tu respondeste corretamente. Faze isso e viverás”. 29Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?” 30Jesus respondeu: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes. Estes arrancaram-lhe tudo, espancaram-no e foram-se embora, deixando-o quase morto. 31Por acaso, um sacerdote estava descendo por aquele caminho. Quando viu o homem, seguiu adiante, pelo outro lado. 32O mesmo aconteceu com um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante, pelo outro lado. 33Mas um samaritano, que estava viajando, chegou perto dele, viu e sentiu compaixão. 34Aproximou-se dele e fez curativos, derramando óleo e vinho nas feridas. Depois colocou o homem em seu próprio animal e levou-o a uma pensão, onde cuidou dele. 35No dia seguinte, pegou duas moedas de prata e entregou-as ao dono da pensão, recomendando: ‘Toma conta dele! Quando eu voltar, vou pagar o que tiveres gasto a mais’”. E Jesus perguntou: 36“Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” 37Ele respondeu: “Aquele que usou de misericórdia para com ele”. Então Jesus lhe disse: “Vai e faze a mesma coisa”. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Um especialista em Lei quer pôr Jesus à prova com sua pergunta. Pôr à prova aqui pode significar duas coisas: primeira, apanhar Jesus na resposta; segunda, ganhá-lo para a classe rica. A pergunta é sobre a vida eterna. Os que não querem se comprometer com o irmão necessitado falam habitualmente da vida eterna. Jesus o puxa para a realidade desta vida. E, ao contar a parábola do bom samaritano, força o especialista em Lei a dar a resposta justa: o próximo do homem machucado é quem o acode, usando de misericórdia. Não faz nenhuma pergunta; entra logo em ação. Não se deixa paralisar por nenhum tipo de preconceito ou obstáculo: nacionalidade, religião, ocupações urgentes. Jesus não teve muito trabalho com o doutor da Lei e foi direto ao ponto: “Vá, e faça você também a mesma coisa”.

(Dia a dia com o Evangelho 2017 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.