Liturgia Diária – 2017-07-17 22:04:58

0

BEATO INÁCIO DE AZEVEDO

PRESBÍTERO E MÁRTIR

(vermelho – ofício da memória)

Inácio (Portugal, 1526-1570), religioso na Companhia de Jesus, foi designado para acompanhar as missões jesuítas no Brasil. Durante a segunda viagem à nova terra, ele e seus 39 companheiros foram martirizados depois de terem o navio atacado por piratas.

Primeira Leitura: Êxodo 1,8-14.22

Leitura do livro do Êxodo – Naqueles dias, 8surgiu um novo rei no Egito, que não tinha conhecido José, 9e disse ao seu povo: “Olhai como o povo dos filhos de Israel é mais numeroso e mais forte do que nós. 10Vamos agir com prudência em relação a ele, para impedir que continue crescendo e, em caso de guerra, se una aos nossos inimigos, combata contra nós e acabe por sair do país”. 11Estabeleceram inspetores de obras, para que o oprimissem com trabalhos penosos; e foi assim que ele construiu para o faraó as cidades-entrepostos Pitom e Ramsés. 12Mas, quanto mais o oprimiam, tanto mais se multiplicava e crescia. 13Obcecados pelo medo dos filhos de Israel, os egípcios impuseram-lhes uma dura escravidão. 14E tornaram-lhes a vida amarga pelo pesado trabalho da preparação do barro e dos tijolos, com toda espécie de trabalhos dos campos e outros serviços que os levavam a fazer à força. 22O faraó deu esta ordem a todo o seu povo: “Lançai ao rio Nilo todos os meninos hebreus recém-nascidos, mas poupai a vida das meninas”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 123(124)

Nosso auxílio está no nome do Senhor.

  1. Se o Senhor não estivesse ao nosso lado, / que o diga Israel neste momento; / se o Senhor não estivesse ao nosso lado / quando os homens investiram contra nós, / com certeza nos teriam devorado / no furor de sua ira contra nós. – R.
  2. Então as águas nos teriam submergido, / a correnteza nos teria arrastado / e, então, por sobre nós teriam passado / essas águas sempre mais impetuosas. / Bendito seja o Senhor, que não deixou / cairmos como presa de seus dentes! – R.
  3. Nossa alma como um pássaro escapou / do laço que lhe armara o caçador; / o laço arrebentou-se de repente, / e assim nós conseguimos libertar-nos. / O nosso auxílio está no nome do Senhor, / do Senhor que fez o céu e fez a terra! – R.

Evangelho: Mateus 10,34-11,1

Proclamação do evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 34“Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada. 35De fato, vim separar o filho de seu pai, a filha de sua mãe, a nora de sua sogra. 36E os inimigos do homem serão os seus próprios familiares. 37Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim. Quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim. 38Quem não toma a sua cruz e não me segue não é digno de mim. 39Quem procura conservar a sua vida vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim vai encontrá-la. 40Quem vos recebe, a mim recebe; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou. 41Quem recebe um profeta, por ser profeta, receberá a recompensa de profeta. E quem recebe um justo, por ser justo, receberá a recompensa de justo. 42Quem der ainda que seja apenas um copo de água fresca a um desses pequeninos, por ser meu discípulo, em verdade vos digo, não perderá a sua recompensa”. 11,1Quando Jesus acabou de dar essas instruções aos doze discípulos, partiu daí a fim de ensinar e pregar nas cidades deles. – Palavra da salvação.

Reflexão:

Nem todos aceitam as exigências do Reino de justiça e paz que Jesus veio estabelecer neste mundo. Os que defendem uma sociedade assentada no poder, na riqueza e numa vida egoísta, dificilmente vão acolher o Messias com sua mensagem de amor filial a Deus e de comunhão fraterna. A uma sociedade injusta e opressora Jesus contrapõe os valores da paz. Não que Jesus declare guerra abertamente; é sua mensagem que provoca a hostilidade dos que a rejeitam; esses é que empunham a espada (divisão). Vêm à nossa mente as palavras do velho Simeão, quando da apresentação de Jesus no Templo: “Eis que este menino será causa de queda e reerguimento de muitos em Israel” (Lc 2,34). O próprio Jesus mostra qual é a natureza da paz que ele nos dá: “A paz que lhes dou não é como a paz que o mundo dá” (Jo 14,27).

(Dia a dia com o Evangelho 2017 – Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp)

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.