Dicas litúrgicas para o 30º Domingo Comum

0

Dia 30/10/2016 – Ano C

Deus não fica distante de quem o procura com o coração sincero, pois seu amor é misericordioso e próximo de nós. Um amor tão próximo a ponto de querer ficar em nossas casas; entrar em nossas vidas na pessoa de Jesus Cristo, para tornar nossa fé ativa..

Evangelho de Lucas 19, 1-10

Existe uma forma de religião que nos separa de Deus: aquele que o coloca nas alturas inatingíveis dos céus; em alturas distantes do homem e da mulher. Mas, este não é o Deus da Bíblia. Este é o Deus dos filósofos, porque o Deus apresentado na Bíblia é compassivo e cheio de misericórdia para com os pecadores e bem próximo de cada um de nós (1ª leitura).

Não apenas se ocupa com os homens e mulheres, mas se inclina até os pecadores para que estes não corram o risco da morte, fruto do pecado. Assim é o amor misericordioso de Deus. Uma coisa é se ocupar com a debilidade das criaturas, outra, mais sublime, é amar misericordiosamente os pecadores e quem se fez inimigo do projeto divino.

É a imagem de um Deus que não se serve da potência e presunção para dominar a humanidade, mas se enche de compaixão para se aproximar da humanidade, porque “misericórdia e piedade é o Senhor…” (salmo responsorial).

Este “ir ao encontro do homem e da mulher”, da parte divina, concretiza-se de modo exemplar na pessoa de Jesus, que veio para “salvar o que estava perdido” (Evangelho). Em Jesus, Deus vem ao encontro dos pecadores, mesmo que este seja um publicano, considerado pecador por todos que conviviam com ele.

A Salvação é para todos e Jesus demonstra este projeto divino, de vir ao encontro dos pecadores, entrando na casa de Zaqueu. Chama atenção o fato de Zaqueu querer ver Jesus, mas a narrativa demonstra que foi Jesus quem descobriu Zaqueu porque, na realidade, era Jesus quem estava a procura de Zaqueu, símbolo de todo homem e mulher que andava perdido por causa do pecado.

No momento do encontro, o evangelista Lucas muda os verbos: não mais passar, correr, subir, mas o verbo “ficar na tua casa” (Evangelho). não mais a correria, mas a necessidade de parar para o encontro face a face entre Jesus e Zaqueu.

A casa é símbolo da vida, o local de encontro entre Deus e o homem; entre Deus e a mulher. A libertação divina, que motiva a conversão de Zaqueu, não acontece com uma emoção passageira, mas pelo acolhimento de Jesus e do Evangelho em sua casa; na própria vida. Não existe conversão se não houver uma casa (uma vida) para acolher o Evangelho. Sem o acolhimento na vida corre-se o risco de ficar somente na teoria ou no conhecimento intelectual, incapaz de tocar a vida.

Na conclusão é interessante prestar atenção na finalidade com que Paulo escreve aos Coríntios, para que “torne ativa a vossa fé” (2ª leitura). Um dado a ser valorizado porque não existe conversão sem a atividade da fé em vários e diferentes setores da vida.

No Evangelho de hoje, Lucas diz que a atividade da fé, fruto da conversão acontece pela decisão de Zaqueu de partilhar os seus bens. Não existe conversão se se continua apegado às riquezas, colocando sua segurança nas riquezas. A conversão se manifesta com gestos de misericórdia, e a partilha dos bens em favor dos mais necessitados, é um deles.

Algumas dicas para nossa liturgia

Cor litúrgica: verde. 

Neste domingo Apresentar os símbolos da Missão: Bíblia, Cruz, símbolos ligados a Juventude.

O comentário inicial deve conduzir a assembleia celebrante para o grande mistério que será celebrado. Deve conter também aspectos missionários e lembrar do dia nacional da juventude.

Envolver o jovens e vários momentos da celebração inclusive na liturgia da palavra.

Sugerimos que seja rezado o credo niceno-constantinopolitano pagina 11 do livro

As preces podem ser substituídas pela oração missionária do panfleto da missão ou se encerrar com ela

No final da celebração pode-se fazer uma entrada de Nossa Senhora sendo conduzida pela juventude e logo em seguida uma benção especial para os jovens.

No avisos lembrar do horário da missa de finados.

Sugestões de cantos:

Entrada: 87 ou 88

Ato penitencial:  96

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.