Dicas litúrgicas para a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora - Diocese de Jales

Dicas litúrgicas para a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora

0

Dia 21/08/2016 – Ano C

A celebração da Assunção de Nossa Senhora considera o Mistério da Salvação, realizado em Jesus Cristo, a partir da teologia do feminino. As leituras propõem o papel de duas mulheres, Maria e Isabel, que correspondem à vocação, sem medir consequências; apenas confiam.

Evangelho de Lucas 1,39-56

Na primeira parte do Evangelho, a cena narra o encontro de Maria com sua prima Isabel, ressaltando a alegria de duas mães, na casa de Zacarias. Tanto Maria como Isabel são envolvidas num Mistério bem maior que elas. Isabel, a idosa com uma gravidez inesperada, assinala para a conclusão do ciclo de um tempo; Maria, a jovem, também ela com uma gravidez inesperada, configura-se com o primeiro acontecimento da vida, propondo um projeto de vida nova.

Os nascimentos dos filhos de Isabel e de Maria marcam uma trajetória: João e Jesus evidenciam que o caminho da Salvação é conduzido unicamente por Deus, o Senhor da história.

As duas mulheres protagonistas da entrada de Deus na vida humana revelam a fidelidade de Deus em seu compromisso de oferecer a Salvação ao povo. Uma obra divina que acontece por obra do Espírito Santo, como mencionado por Lucas, ressaltando que “Isabel ficou cheia do Espírito Santo” (Evangelho).

Não somente neste episódio da visita de Maria a Isabel, como em outros acontecimentos da infância de Jesus — no encontro do Templo, por exemplo — Simeão e Ana profetizaram sob a inspiração do Espírito Santo (Lc 2,25-26.36-38). Além disso, é o Espírito Santo que realiza a grande e maravilhosa obra da encarnação no seio da Virgem Maria.

A Assunção de Maria está diretamente relacionada ao projeto divino e sua vida é fruto da obra do Espírito Santo de Deus na vida de Maria. É o Espírito Santo de Deus que faz dela a mulher bela, vestida de sol com doze estrelas sobre a cabeça; a mulher forte que derrota o inimigo de Deus, que pretende destruir a vida humana (1ª leitura).

A mesma mulher da qual o salmista se admira diante de tanto esplendor (salmo responsorial). Maria, em breve, é a obra do Espírito divino e, por isso, é elevada aos céus em corpo e alma, depois de sua morte.

A segunda parte do Evangelho é composta pelo Magnificat. Uma poesia que faz memorial do que Deus realizou no passado, do que realiza no presente, na pessoa de Maria, e do que realizará em favor dos mais debilitados do seu povo.

É um poema que exalta a misericórdia divina em favor dos pobres e oprimidos do povo. Na boca de Maria, o Magnificat é um poema que revela a alegria do seu coração, listando uma série de motivos que justificam o louvor e a glorificação a Deus, pois “sua misericórdia se estende de geração em geração” (Evangelho). Misericórdia não somente para as gerações passadas, mas também para o tempo presente e para as gerações futuras, da qual pertencemos agora.

O Magnificat revela, além do mais, que Deus sempre foi e será o Deus dos pobres, daqueles que colocam nele a sua confiança. Diante dele, as astúcias e as estratégias dos poderosos perdem a razão, porque ele os destitui de seus tronos para elevar os deserdados (Evangelho).

Maria é a pobre mulher que representa a ação divina em favor do povo. É por meio dela que a presença divina, na pessoa de Jesus, destrói todos os inimigos de Deus, até o último inimigo, a morte (2ª leitura).

Por ser mulher confiante no projeto divino, vencedora da morte enquanto intimamente unida a Jesus, colaboradora com o projeto divino, é Assunta aos céus não somente como prêmio, mas porque foi ativa no Mistério da Salvação divina em favor de toda a humanidade.

Algumas dicas para nossa Liturgia

Cor litúrgica: branco 

Preparar um espaço simbólico com um painel, ícone ou imagem de Maria. Neste local também pode ser colocado vários livrinhos do encontro em preparação para a Romaria.

Neste se encerra a Semana da Família. Na procissão de entrada uma família pode conduzir a imagem de Nossa Senhora até o local devidamente preparado.

Outra sugestão é que se cante a ladainha de Nossa Senhora no lugar das preces.

Para a bênção final sugerimos a própria para o dia de Nossa Senhora. Página 527 do missal romano.

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.