Dicas litúrgicas para a Festa de Cristo Rei do Universo

0

Neste domingo celebramos Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. Celebrar Cristo Rei do Universo é ter a segurança de tê-lo como Senhor de nossa vida. O Reino de Jesus é um Reino alicerçado no serviço, na doação, na promoção da vida e da justiça.

Evangelho: Lucas 23, 35-43.

A Palavra de Deus, neste último domingo do ano litúrgico, convida-nos a tomar consciência da realeza de Jesus. Deixa claro, no entanto, que essa realeza não pode ser entendida à maneira dos reis deste mundo: é uma realeza que se exerce no amor, no serviço, no perdão, no dom da vida.

A primeira leitura nos apresenta o momento em que Davi se tornou rei de Israel. Com ele, iniciou-se um tempo de felicidade, de abundância, de paz, que ficou na memória de todo o Povo de Deus. Nos séculos seguintes, o Povo sonhava com o regresso a esse tempo de felicidade e com a restauração do reino de Davi; e os profetas prometeram a chegada de um descendente de Davi que iria realizar esse sonho.

A segunda leitura apresenta um hino que celebra a realeza e a soberania de Cristo sobre toda a criação; além disso, põe em relevo o seu papel fundamental como fonte de vida para os homens.

No Evangelho vemos a realização dessa promessa: Jesus é o Messias, o Rei enviado por Deus, que veio tornar realidade o velho sonho do Povo de Deus e apresentar aos homens o Reino. No entanto, o Reino que Jesus propôs não é um Reino construído sobre a força, a violência, a imposição, mas sobre o amor, o perdão, o dom da vida.

Celebrar a Festa de Cristo Rei do Universo não é celebrar um Deus forte, dominador que se impõe aos homens do alto da sua onipotência e que os assusta com gestos espetaculares; mas é celebrar um Deus que serve, que acolhe e que reina nos corações com a força desarmada do amor.

A cruz, ponto de chegada de uma vida gasta a construir o Reino de Deus, é o trono de um Deus que recusa qualquer poder e escolhe reinar no coração dos homens através do amor e do dom da vida.

Em termos pessoais, a Festa de Cristo Rei convida-nos, também, a repensar a nossa existência e os nossos valores. Diante deste rei despojado de tudo e pregado numa cruz, não nos parecem completamente ridículas as nossas pretensões de honras, de glórias, de títulos, de aplausos, de reconhecimentos?

Diante deste rei que dá a vida por amor, não nos parecem completamente sem sentido as nossas manias de grandeza, as lutas para conseguirmos mais poder, as invejas mesquinhas, as rivalidades que nos magoam e separam dos irmãos?

Diante deste rei que se dá sem guardar nada para si, não nos sentimos convidados a fazer da vida um dom, entregue a Deus e aos irmãos?

Peçamos ao Pai que ao encerrar este Ano da Misericórdia, que nos fortaleça e encoraje na busca do Reino, sem jamais duvidar do seu amor e misericórdia.

Algumas dicas para nossa liturgia:  A cor da liturgia é o branco.

Neste dia, junto a presbitério, pode se colocar uma cruz grande, ornada com flores e um pano branco e um ícone de Jesus Cristo, que pode ser conduzido na procissão de entrada.

A procissão de entrada pode ser solene, com incenso, cruz, velas, leitores e todos os ministros que irão renovar os ministérios.

Na profissão de fé, sugerimos que se reze o credo niceno constantinopolitano, que está na página 11 do livro de cantos.

No final da celebração é pedido que se faça a renovação dos compromissos dos ministros instituídos e a instituição dos novos ministros leigos, se houver.

Para este dia vamos disponibilizar um roteiro para encerramento do Ano jubilar da Misericórdia. 

Sugestões de cantos:

Entrada: 93 ou 94

Ato penitencial: 96

Glória:126 ou 128

Salmo: é o mesmo do lecionário

Aclamação: 313

Ofertas: 410

Santo: 444

Comunhão: 570

Envio: 610

 Oremos: Concedei, ó Deus, ao povo cristão conhecer a fé que professa e amar a liturgia que celebra. Por Cristo nosso Senhor. Abençoe-nos o Deus todo poderoso, Pai Filho e Espírito Santo. Amém!

 

CELEBRAÇÃO CONCLUSIVA

DO JUBILEU EXTRAORDINÁRIO

 

INTRODUÇÃO

As indicações seguintes, para Celebração conclusiva do Jubileu extraordinário da Misericórdia nas Igrejas particulares, dizem respeito as Igrejas de rito Romano e as Igrejas de outros ritos ocidentais não romanos, cujo autoridade competente lhes poderá fornecer as adaptações exigidas pela cultura particular.

Os pastores das Igrejas orientais poderão, se o desejarem, oferecer indicações em harmonia com seu ordenamento litúrgico.

O LUGAR

A Eucaristia de encerramento do Jubileu nas Igrejas particulares será única e será celebrada na Catedral.

Nas outras igrejas ou santuários que o Bispo Diocesano estabeleceu que abrisse uma porta da misericórdia, proceder-se-á a uma celebração eucarística de ação de graças, presidida por um delegado do bispo.

A CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

A Celebração de encerramento do jubileu extraordinário é constituída essencialmente pela celebração eucarística no dia do Senhor. Se o Bispo considerar oportuno, pode-se utilizar o formulário “Em ação de graças”, presente na seção das “ Missas e orações para Várias necessidades” do missal Romano.

EXPRESSÃO DE AÇÃO DE GRAÇAS

Pronunciada a oração pós comunhão, o Bispo, com uma admonição de índole Litúrgica, dá graças a Deus pelos benefícios do ano jubilar e convida a assembleia a agradecer ao Nossa Senhor. Nesse caso, o Magnificat, canto de ação de graças da Virgem Maria e da Igreja, é particularmente indicado.

(As explicações acima são do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização)

Orientações da Diocese para a celebração nas Paroquias e Comunidades onde se abriu a Porta Santa. 

  • A liturgia será a própria do Domingo de Cristo Rei
  • A celebração ocorre normalmente como de costume, apenas é acrescentado nos ritos iniciais e na introdução do ato penitencial palavras que expressam a graça do ano jubilar vivido.
  • Após a oração pós comunhão é feito um rito de conclusão, dando graças a Deus pelas bênçãos derramadas neste ano, entoando o canto do Magnificat e concluindo com benção final.
  • As paróquias onde se tem mais de uma Missa no domingo seja escolhida apenas uma das Missas para fazer o encerramento. Não é recomendado fazer em todas as celebrações.

 

CELEBRAÇÃO CONCLUSIVA DO JUBILEU EXTRAORDINÁRIO 

RITOS INICIAIS

Animador:

Canto Entrada:

Misericordes sicut Pater

Damos graças ao Pai, porque é bom – in aeternum misericordia eius

Criou o mundo com sabedoria – in aeternum misericordia eius
Conduz seu povo na história – in aeternum misericordia eius
Perdoa e acolhe os seus filhos – in aeternum misericordia eius

Damos graças ao Filho, Luz das gentes – in aeternum misericordia eius
Amou-nos com um coração de carne – in aeternum misericordia eius
Dele recebemos, a Ele nos doamos – in aeternum misericordia eius
O coração se abra a quem tem fome e sede – in aeternum misericordia eius

Peçamos ao Espírito os sete santos dons – in aeternum misericordia eius
Fonte de todo bem, dulcíssimo alívio – in aeternum misericordia eius
Por Ele confortados, oferecamos conforto – in aeternum misericordia eius
O amor espera e tudo suporta – in aeternum misericordia eius

Padre: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

Todos: Amém

(Depois, o padre, abrindo os braços, saúda o Povo)

Padre: A misericórdia de Deus Pai, a paz de Jesus Cristo, nosso Senhor, e a comunhão do Espirito Santo estejam convosco.

Todos: Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

(O padre introduz a celebração com estas palavras ou outras semelhantes.)

Padre: Irmãos caríssimos. Eis-nos chegados ao termo do Ano Jubilar. Nele experimentamos um tempo extraordinário de graça e misericórdia.

Nesta celebração eucarística, eu remos entoar um cântico de louvor e a nossa ação de graças pelos dons que o nosso bom Deus nos concedeu.

Uma vez mais, antes de nos aproximarmos dos santos mistérios invoquemos o balsamo da misericórdia, reconhecendo-nos pecadores e perdoando-nos mutuamente de todo coração.

(Breve silêncio)

 Padre: Senhor que nos mandaste perdoar antes de nos apresentarmos diante do vosso altar, tende piedade de nós.

Todos: Senhor, tende piedade de nós.

Padre: Cristo, que sobre a cruz invocastes perdão para os pecadores, tende piedade de nós.

Todos: Cristo, tende piedade de nós.

Padre: Senhor, que confiaste a vossa Igreja o ministério da reconciliação, tende piedade de nós.

Todos: Senhor, tende piedade de nós.

Padre: Deus todo poderoso tenha misericórdia de nós, perdoe nossos pecados e nos conduza a vida eterna.

Todos: Amém!

Hino de louvor: 

ORAÇÃO DO DIA 

Segue a liturgia como de costume

RITO DE CONCLUSÃO

(Após a oração pós comunhão) 

Padre: Irmãos e irmãs, rendamos com alegria graças a Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, porque, neste ano de graça, nos abençoou com toda espécie de bênçãos espirituais, nos céus, em Cristo.

A todos foi oferecido um tempo precioso de misericórdia e de conversão. Exprimamos a nossa alegria e a nossa ação de graças com as palavras da virgem Maria, nossa Mãe. Cantando a misericórdia de Deus que se estende de geração em geração, supliquemos que Ele continue a derramá-la sobre o mundo inteiro como orvalho matutino. 

Magnificat

Canto: 

O Senhor fez em mim maravilhas, Santo é teu nome (bis)

A minh’alma engrandece o Senhor/ e exulta meu espírito em Deus meu Salvador;

Porque olhou para a humildade de sua serva/ doravante as gerações hão de chamar-me de bendita

 

O poderoso fez em mim maravilhas/ e santo é o seu nome!

Seu amor para sempre se estende/sobre aqueles que o temem!

 

Manifesta o poder de seu braço/ Dispersa os soberbos;

Derruba os poderosos de seus tronos/ e eleva os humildes.

 

Sacia de Bens os famintos/ Despede os ricos sem nada.

Acolher Israel, seu servidor/ Fiel ao seu amor,

 

Como havia prometido a nossos pais/ em favor de Abraão e de seus filhos para sempre.

Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito/ desde agora e para sempre pelos séculos. Amém! 

Padre: Olhai, Senhor, para povo fiel que implora a vossa misericórdia, para que todos aqueles que em vós confiam, porque vos reconhecem com seu pastor e mestre, possam levar a todo parte o testemunho do vosso amor. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso filho na unidade do Espírito Santo.

Todos: Amém

Padre: Abençoe-vos o Deus Todo Poderoso, Pai + Filho + e Espírito Santo.

Todos: Amém.

Padre:  Sede misericordiosos com vosso Pai é misericordioso. Ide em paz. 

Todos: Graças a Deus 

Canto final 

 

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.