Dicas litúrgicas para o 33º Domingo Comum

0

Dia 13/11/2016 – Ano C

A liturgia deste 33º Domingo Comum anuncia o Reino de Deus, o ponto de chegada da história da humanidade que caminha guiada pela presença de Deus.

Evangelho: Lucas 21, 5-19

A liturgia deste domingo reflete sobre o sentido da história da salvação e nos diz que a meta final para onde Deus nos conduz é o novo céu e a nova terra da felicidade plena, da vida definitiva.

Este quadro, que deve ser o horizonte que os nossos olhos contemplam em cada dia da nossa caminhada neste mundo, faz nascer em nós a esperança; e da esperança brota a coragem para enfrentar a adversidade e para lutar pelo advento do Reino.

Na primeira leitura, um mensageiro de Deus anuncia a uma comunidade desanimada, céptica e apática, que Deus não abandonou o seu Povo. O Deus libertador vai intervir no mundo, vai derrotar o que oprime e rouba a vida e vai fazer com que nasça o sol da justiça, que traz a salvação.

A segunda leitura reforça a ideia de que, enquanto esperamos a vida definitiva, não temos o direito de nos instalarmos na preguiça e no comodismo, alheios às grandes questões do mundo e evitando dar nossa contribuição na construção do Reino.

O Evangelho nos oferece uma reflexão sobre o percurso que a Igreja é chamada a percorrer, até à segunda vinda de Jesus. A missão dos discípulos em caminhada na história é comprometer-se na transformação do mundo, de forma a que a velha realidade desapareça e nasça o Reino. Esse caminho será percorrido no meio de dificuldades e perseguições; mas os discípulos terão sempre a ajuda e a força de Deus.

Nessa caminhada, os cristãos sabem que não estão sós, mas que Deus vai com eles… É essa presença constante e amorosa de Deus que lhes permitirá enfrentar as forças da morte, que tentam evitar que o mundo novo apareça; é essa força de Deus que permitirá aos discípulos de Jesus vencer o desânimo, a adversidade, o medo.

Olhando para nossa realidade, podemos descobrir em nosso tempo, muitos sinais do fim do mundo tal como Jesus os apresenta no evangelho: guerras, terremotos, fomes, epidemias. Muitas coisas podem servir para manipular o medo e a angústia das pessoas. Talvez por isso, vemos hoje um grande aumento de seitas.

Mesmo no cristianismo, vemos surgir regularmente aparições de várias espécies. O regresso do religioso toma muitas vezes a forma de uma procura de sinais milagrosos, de predições sobre tudo. Há mais magos, adivinhos, cartomantes, astrólogos e gurus do que padres. Em suma, o esoterismo está na moda. E, para tranquilizar a consciência, até nos apoiamos nas palavras de Jesus.

Mas Jesus adverte-nos: “Tende cuidado; não vos deixeis enganar, pois muitos virão em meu nome e dirão: ‘sou eu’; e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não os sigais”. O nosso futuro não está inscrito nos astros, nas cartas, nem nas linhas da mão. O nosso futuro está em Jesus.

Se queremos sinais, temos um: a morte e a ressurreição de Jesus, que nos são dadas em cada Eucaristia e que são a prova última e definitiva do amor de Deus por nós. Para nos manter firmes, a nossa primeira preocupação deve ser vivificar a nossa fé, reencontrar uma intimidade com Jesus.

Alguns sinais de desagregação do mundo velho, que todos os dias contemplamos, não devem nos assustar: eles são, apenas, sinais de que está para nascer algo novo e melhor. O perder certas referências pode nos assustar e embaralhar nossos esquemas e certezas; mas sabemos que é impossível construir algo mais bonito, sem a destruição do que é velho e caduco.

Peçamos ao Senhor que aumente nossa fé e nos faça caminhar na esperança, sem nada temer, acreditando que em meio às dificuldades podemos contar sempre com a proteção e a força de Deus, que jamais nos abandona.

Algumas dicas para nossa liturgia

A cor da liturgia é verde.

Para o espaço celebrativo, preparar um arranjo utilizando lamparinas, dando o sentido de vigilância, proposto no evangelho.

No início da celebração, o animador pode fazer uma pequena monição, dando sentido ao que estamos celebrando.

Antes do início da celebração seria bom criar um clima de silêncio entoando um refrão meditativo.

You might also like More from author

Leave A Reply

Your email address will not be published.